O Sistema Único de Saúde (SUS) funciona a partir de três princípios doutrinários: a universalidade, a integralidade e a equidade. O primeiro princípio está ligado à garantia do direito à saúde para toda a população; a integralidade aborda as várias dimensões que envolvem a saúde dos indivíduos; por fim, a equidade, que é tratar as diferenças em busca da igualdade. É para manter vivo esse olhar na prática profissional e no cotidiano do SUS que o projeto VER-SUS trabalha. Sob responsabilidade do Departamento de Saúde Pública da Universidade Federal de Santa Catarina, o projeto é coordenado pelo Prof. Dr. Douglas Kovaleski.

O VER-SUS (Vivências e Estágios na Realidade do Sistema Único de Saúde) é um projeto nacional do Ministério da Saúde que existe desde 2002 e tem como foco a formação de profissionais para o SUS. O programa é baseado em estágios e vivências que permitem que os alunos de graduação da universidade experimentem um diferente espaço de aprendizado dentro do cotidiano dos serviços de saúde. A experiência pode abarcar conhecimentos sobre gestão do sistema, estratégias de atenção básica e processos de educação na saúde.

Na UFSC o projeto conta com a participação de cerca de 30 estudantes. Além das vivências em Florianópolis, o projeto também já viajou para outras cidades do estado, como Criciúma e Joinville. Ele começou em 2012 na UFSC pela iniciativa de alguns estudantes de Farmácia e Psicologia que haviam passado pelo projeto em Porto Alegre e sugeriram que fosse implementado também em Florianópolis.

A importância do VER-SUS estar inserido na Universidade por não estar voltado apenas para uma disciplina. Dessa forma, a iniciativa é dos próprios estudantes, sem partir de um olhar institucional, já que é construído coletivamente. Kovaleski afirma que o projeto prioriza a horizontalidade, tirando os professores de uma posição de saber absoluto e colocando todos os participantes em pé de igualdade para construir conhecimento de maneira coletiva. Antes da vivência, que pode durar entre 7 e 15 dias, há uma preparação teórica entre estudantes e professores sobre o tema que será central naquela experiência. Saúde mental, mulheres, indígenas e LGBTs foram alguns dos assuntos já tratados pelo projeto da UFSC.

A atuação do VER-SUS na Universidade ainda abre horizontes para estudantes. A partir dessas vivências, o aluno pode enxergar outras possibilidades dentro da área da saúde. O trabalho feito dentro do projeto objetiva estimular esses futuros profissionais a se verem como atores sociais e agentes políticos capazes de transformar a saúde pública, visando uma formação mais crítica e menos tecnicista.

Kovaleski ainda destaca o papel político do programa. “É a tentativa de retomar a politização do movimento de reforma sanitária – que é o que dá origem ao SUS – fazendo empoderamento dos movimentos sociais e das bases populares que comandam e coordenam esse sistema – que não é pra classe dominante. Esse sistema vem do povo e tem uma base crítica em relação aos modos e produção da vida no sistema capitalista”.

 

Professor responsável: Douglas Kovaleski
Contato: versus.florianopolis@gmail.com

Comments are closed.